Engenharia Civil UM https://revistas.uminho.pt/index.php/ecum <p>A Engenharia Civil UM é uma revista trimestral que foi criada em 1995 pelo Departamento de Engenharia Civil da Universidade do Minho. A revista aceita artigos em Português, Espanhol e Inglês.</p> <p>A revista tem como objetivo proporcionar um fórum para a publicação de investigações originais nas áreas de Construção Civil, Estruturas, Geotecnia, Hidráulica, Materiais de Construção, Gestão da Construção, Building Information Modelling (BIM), Planeamento e Transportes, com ênfase na investigação experimental, análise analítica e numérica, desenvolvimento de produto, funcionalidade, eficiência, ambiente, durabilidade e fiabilidade, reciclar, reusar, conservação e reforço, avaliação do estado, segurança e análise do ciclo de vida, entre outros. A revista também publica casos de estudo detalhados com inovação. Finalmente, refira-se que a Revista de Engenharia Civil funciona em regime de “open-access”.</p> CTAC pt-PT Engenharia Civil UM 0873-1152 Propriedades físicas e mecânicas de compósitos de cimento reforçados com fibra de curauá (Ananas erectifolius) https://revistas.uminho.pt/index.php/ecum/article/view/4149 <p>O objetivo deste estudo é a caracterização de compósitos cimentícios com reforço de fibras longas de curauá. Estes compósitos são constituídos de matriz cimentícia composta por cimento CP V-ARI, areia, água e superplastificante. A substituição de materiais como o cimento por reforços de materiais naturais como a fibra de curauá se tornam objetos de pesquisa por reduzirem o custo, serem biodegradáveis, gerarem baixa energia em sua produção e possuírem propriedades como baixa densidade e capacidade de isolamento térmico e acústico. Para a produção dos compósitos laminados, foi determinada a influência da fração volumétrica de fibras no compósito em teores de adição de 0%, 5%, 10%, 15% e 20%. Como metodologia moldou-se o compósito em cinco camadas, intercalando três camadas de matriz cimentícia e duas camadas de reforço de fibra de curauá. Os ensaios avaliaram o comportamento físico e mecânico dos compósitos em diferentes dias (7, 28 e 90 dias). Observou-se que o teor de fibra de curauá de 10%, com essa metodologia, apresentou resultados compatíveis à referência com relação à resistência à flexão aos 90 dias, sendo indicado dessa forma a cura dos painéis por 90 dias para aplicação. E a redução na massa específica dos painéis foi possível, de forma significativa, com as adições acima de 10% de fibra de curauá.</p> A.M. Weber A. Matoski L. Cechin R.B. Tokarski Direitos de Autor (c) 2022 A.M. Weber, A. Matoski, L. Cechin, R.B. Tokarski https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-09-29 2022-09-29 61 6 17 10.21814/ecum.4149 Criação de componente de fôrma industrializada de pilar através de uma plataforma BIM https://revistas.uminho.pt/index.php/ecum/article/view/4151 <p>No mercado brasileiro, são poucas as construtoras que possuem um projeto bem detalhado e preciso de fôrmas, resultando em desperdícios, falta de planejamento e atrasos. Desta forma, o objetivo deste trabalho foi incorporar os preceitos da Modelagem da Informação da Construção (BIM) no produto fôrma industrializada de pilar, que devido a sua complexidade, a sua representação gráfica no CAD 2D é carente de informações e requer muito tempo no seu desenvolvimento. Pode-se dizer que os benefícios mais imediatos do BIM é a maior eficiência e produtividade na documentação do projeto, que através dos parâmetros, informações do projeto são geradas de forma automática e mais precisa. O processo de modelagem priorizou o desempenho do componente em vez da sua aparência, tendo como referência alguns manuais e normas nacionais e internacionais. Antes da modelagem propriamente dita, foi realizado um planejamento da família, em seguida, utilizou-se um programa paramétrico, para que se pudesse inserir as famílias aninhadas, parâmetros, regras e vínculos no editor de famílias. O projeto em BIM se mostrou eficaz quanto a sua automatização e geração de quantitativos no projeto, porém, por ser ainda um produto novo no mercado brasileiro, carente quanto a atribuição de informações para planejamento 4D, para manutenção e para logística.</p> L.B. Sales I.L. Salomão E.C.R. Ponte L.A. Rodrigues Direitos de Autor (c) 2022 L.B. Sales, I.L. Salomão, E.C.R. Ponte, L.A. Rodrigues https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-09-29 2022-09-29 61 18 29 10.21814/ecum.4151 Concretos com Agregados Residuais de Construção e Demolição e Pozolanas https://revistas.uminho.pt/index.php/ecum/article/view/4152 <p>Com o crescente aumento do consumo dos recursos naturais em nível mundial, geram-se grandes preocupações em relação ao meio ambiente, tornando a sustentabilidade um assunto em destaque quanto à qualidade de vida e a sobrevivência dos seres vivos. A presente pesquisa visa analisar misturas de concreto com agregado residual de construção e demolição (RCD) através dos ensaios de resistência à compressão axial. Os concretos estudados foram moldados com substituição de dois teores de agregado residual, ou seja, substituições de 15 e 30% do agregado graúdo por RCD, o cimento também foi substituído parcialmente por dois tipos de pozolanas em misturas binárias e ternárias, em que se realizaram substituições de 25% de cimento por cinza de casca de arroz (CCA) e 25% de cinza volante CV) para as misturas binárias, já para as ternárias os teores de substituições foram de (15+10) % (CCA+CV). Para os ensaios de resistência á compressão axial foram moldados corpos de prova cilíndricos de dimensão 10x20cm e curados em câmara úmida por um período de 28 dias. Através dos resultados pôde-se perceber que em relação ao traço referência (sem substituições), os concretos com pozolanas, tanto em misturas binárias como ternárias obtiveram resistência à compressão axial bem próximos da referência, já os traços moldados com substituições somente de agregados resultaram em resistência à compressão axial bastante inferiores. No entanto, concluiu-se que em relação à resistência à compressão axial é viável a utilização de RCD em concretos, porém quando da utilização de pozolanas na mistura.</p> C.C. Santos G.C. Isaia Direitos de Autor (c) 2022 C.C. Santos, G.C. Isaia https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-09-29 2022-09-29 61 30 43 10.21814/ecum.4152 Comportamento mecânico e de durabilidade de concretos produzidos com efluente industrial tratado e bruto https://revistas.uminho.pt/index.php/ecum/article/view/4153 <p>A indústria da construção civil é uma das maiores poluidoras do meio ambiente e consumidora de recursos naturais, água doce e energia. O processo de fabricação do concreto requer uma grande quantidade de água e libera grandes quantidades de CO2 na atmosfera. Em vista disso, uma alternativa que se mostra viável é utilizar efluentes de esgotos tratados na execução de serviços e processos na construção civil que não necessitem de uma água com padrão de qualidade elevado. Posto isto, busca-se nesta pesquisa analisar a viabilidade de reuso de efluentes de esgoto (tratado e bruto) em substituição a água de amassamento do concreto, comparando-os com a substituição de referência, a água potável. Inicialmente, realizou-se a escolha dos materiais empregados para o trabalho, bem como a dosagem experimental e a moldagem dos corpos de prova. Após, avaliou-se as propriedades dos concretos por meio dos ensaios de Resistência à Compressão Uniaxial, Resistência à Tração por Compressão Diametral, Módulo de Elasticidade e Absorção de Água. Através dos resultados obtidos nos ensaios mecânicos e de durabilidade, pode-se concluir que é possível utilizar efluente de esgoto para produção de concreto sem influenciar na qualidade do mesmo, no entanto, deve haver um tratamento adequado e estar de acordo com as normas técnicas NBR 15900-1/2009 e NM 137/1997.</p> A. Zaleski B. Marangoni S.C. Vanzetto Direitos de Autor (c) 2022 A. Zaleski, B. Marangoni, S.C. Vanzetto https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-09-29 2022-09-29 61 44 54 10.21814/ecum.4153 Análise do centro de custo de um edifício de alto padrão: desafios e proposições https://revistas.uminho.pt/index.php/ecum/article/view/4154 <p>Visto que uma edificação demanda diversas atividades, contendo limites e restrições, são necessários procedimentos de planejamento e controle que considerem tais aspectos. O controle de obra é um trabalho complexo, pois é uma atividade que apresenta muitas variáveis e pertence a um ambiente dinâmico e mutável. Tendo como objetivo diagnosticar o uso da ferramenta de centro de custo, no que se refere à determinação de desafios e apresentação de proposições de soluções, foram levantados dados de um edifício de alto padrão, com ênfase nos serviços de alvenaria externa e interna e contrapiso dos pavimentos tipo mediante medição in loco dos mesmos, posteriormente realizou-se o cálculo do previsto por meio do projeto. Com os recursos disponíveis, foi possível comparar o que foi planejado, executado e orçado, além disso, foi feita a análise de como a empresa se organiza e controla seus custos, propondo melhorias técnicas. Por fim, notou-se que, apesar dos benefícios advindos do controle de custo, a empresa não faz o uso dessa ferramenta, em virtude da alocação dos insumos no sistema Integrado de Gestão Empresarial (ERP) não ser realizada de forma devida.</p> V.C. Fassioni L.M.N. Mendes H.V.R. Santos Direitos de Autor (c) 2022 V.C. Fassioni, L.M.N. Mendes, H.V.R. Santos https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-09-29 2022-09-29 61 55 66 10.21814/ecum.4154