Anáglifo, fotointerpretação e imagens do Google Earth como alternativa para elaboração do mapeamento geomorfológico da Serra do Corpo Seco- Ituiutaba-MG (Brasil)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21814/physisterrae.2978

Palavras-chave:

Mapeamento, Relevo, Imagens tridimensionais, Anáglifo, Fotointerpretação

Resumo

O objetivo principal da pesquisa foi elaborar um mapeamento geomorfológico do relevo residual denominado Serra do Corpo Seco, tendo em vista que é considerado como um dos produtos cartográficos relevantes para subsidiar o planejamento ambiental. Para isso, foi utilizado um procedimento metodológico que envolveu o método anáglifo (para gerar uma imagem 3D), a fotointerpretação e imagens de satélite de alta resolução espacial disponíveis no Google Earth, além disso, foi necessário utilizar o ambiente computacional dos aplicativos Stereo Photo Maker e QGIS. O resultado obtido foi satisfatório, uma vez que as bases cartográficas disponíveis e acessíveis, até o momento, não permitiram a realização de mapeamento utilizando pares estereoscópicos de fotografias aéreas. A partir dessas técnicas foi possível espacializar os principais compartimentos geomorfológicos, as feições hídricas e de relevo, o que resultou na identificação de aspectos importantes do relevo local. O documento cartográfico elaborado é uma importante ferramenta que poderá subsidiar o planejamento ambiental da área, pois apresenta uma série de informações de caráter geomorfológico relevantes para os gestores do município, principalmente no que tange à proteção da Serra do Corpo Seco, que é reconhecida pela população como um patrimônio natural e cultural. Espera-se que esse procedimento metodológico possa auxiliar outros pesquisadores na elaboração de mapeamentos geomorfológicos, visando cada vez mais otimizar a elaboração desse tipo de mapa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Balatka, B., Sladek, J. (1967). Problem of the conception of the detailed geomorphological map. In Demek, J. (ed) Progress made in geomorphological mapping (p. 179-192). Brno: IGU Commission on Applied Geomorphology.

Barcelos, J. H. (1984). Reconstrução paleogeográfica da sedimentação do Grupo Bauru baseada na sua redefinição estratigráfica parcial em território paulista e no estudo preliminar fora do estado de São Paulo. Tese Livre Docência, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro;

Casseti, V. (2005). Geomorfologia.

Cunha, C. M. l., Mendes, I. A., Sanchez, M. C. (2003). A cartografia do relevo: uma análise comparativa de técnicas para a gestão Ambiental. Revista Brasileira de Geomorfologia, 4(1), 1-9. Consultado em: http://www.lsie.unb.br/rbg/index.php/rbg.

Cunha, C. M. L. da, Queiroz, D. S. (2012). A cartografia geomorfológica de detalhe: uma proposta visando à multidisciplinaridade. Revista CLIMEP – Climatologia e Estudos da Paisagem, 7(1-2), 22-45. Consultado em: http://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/climatologia/article/view/5339.

Fernandes, L. A. (1998). Estratigrafia e evolução geológica da parte oriental da Bacia Bauru (Ks Brasil). Tese de Doutorado. Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Fushimi, M. (2009). Mapeamento Geomorfológico do Município de Presidente Prudente–SP. Monografia de Bacharelado. Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia, campus de Presidente Prudente.

Girão, O., Corrêa, A. C. B. (2004). A contribuição da geomorfologia para o planejamento da ocupação de novas áreas. Revista de Geografia, 21(2), 36-58.

Google Earth (2020). Google Earth website. http://earth.google.com/,2009.

Griffiths, J. S., Abraham, J. K. (2008). Factors affecting the use of applied geomorphology maps to communicate with different end-user. Journal of maps, 4(1), 201-210. https://doi.org/10.4113/jom.2008.89

Guerra, A. T., Guerra, A. J. T. (2006). Novo Dicionário geológico-geomorfológico. 5ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

IBGE (1979). Ituiutaba. Folha topográfica de Ituiutaba. Rio de Janeiro: Centro de Serviços Gráficos do IBGE, 1973. Escala 1:100.000. 1 folha, color., Folha SE-22-Z-B-IV. Disponível em: http://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=6401. Acesso: 25 novembro 2014.

IBGE (2010). Cidades. Consultado em 12 de setembro de 2020 em: http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=313420&search=||infogr%E1ficos:-informa%E7%F5es-completas.

Lima, K. C., Cunha, C. M. L. da, Filho, A. P. (2013). Dificuldades e possibilidades da cartografia geomorfológica no semiárido brasileiro. Revista Brasileira de Cartografia, 65(6), 11. Consultado em: http://www.seer.ufu.br/index.php/revistabrasileiracartografia/article/view/43880/23144.

Malvezzi. C. M., Oliveira, A. A. G. de, Pedro Miyazaki, L. C., Lima, T. M., Silva, A. dos S., Santos, K. P. dos (2017). Identificação dos principais impactos ambientais no relevo residual morro São Vicente/Serra do Corpo Seco. IX Encontro GEOPONTAL.

Nunes, J. O. R., Freire, R., Peres, I. U. (2006). Mapa geomorfológico do perímetro urbano da cidade de Presidente Prudente. In VI Simpósio Nacional de Geomorfologia e Regional Conference on Geomorphology, Goiânia. Anais...CDROM.

Oliveira, A. A. G. (2020). A Utilização de anáglifos aplicado ao mapeamento geomorfológico: o caso do relevo residual "Serra do Corpo Seco". Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Geografia) – Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia.

Pedro, L. C. (2011) Geomorfologia Urbana: impactos no ambiente urbano decorrente da forma de apropriação, ocupação do relevo. Geografia em Questão, 4(1), 153-172. Consultado em: http://e-revista.unioeste.br/index.php/geoemquestao/issue/view/354.

Pedro Miyazaki, L. C. (2014). Dinâmicas de apropriação e ocupação em diferentes formas de relevo: análise dos impactos e da vulnerabilidade nas cidades de Presidente Prudente/SP e Marília/SP. Tese de Doutorado, Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia, campus de Presidente Prudente.

Pedro Miyazaki, L. C. (2016). Espacialização dos compartimentos geomorfológicos de parte da área urbana de Ituiutaba-MG. In XVIII Encontro Nacional de Geógrafos. São Luís. A construção do Brasil: geografia, ação política e democracia (p.1-13). São Luís: UFMA. Anais, 1.

Pedro Miyazaki, L. C. (2017). Elaboração da carta de compartimentação geomorfológica para estudo do relevo na área urbana de Ituiutaba (MG). Espaço em Revista, 19(2), 1-17. Consultado em: https://www.revistas.ufg.br/espaco/article/download/49966/25238.

Pedro Miyazaki, L. C., Bento, L. C. M. (2018). Possibilidades didáticas do geomorfossítio Salto da Prata – Ituiutaba/MG. ANAIS…XII SINAGEO.

Sherman, G. E., Sutton, T., Blazek, R., Holl, S., Dassau, O., Morely, B., Mitchell, T., Luthman, L. (2011). Quantum GIS User Guide - Version 1.7 “Wroclaw”. Consultado em 20 de agosto de 2018 em: http://download.osgeo.org/qgis/doc/manual/qgis-1.7.0_user_guide_en.pdf.

Soares, A. Q., Fujimoto, N. S. V. M. (2009). Caracterização e compartimentação do relevo dabacia hidrográfica do rio do Silveira – São José dos Ausentes – RS. Anais eletrônicos do Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada. Viçosa. Consultado em 29 de junho de 2020 em: http://www.geo.ufv.br/simposio/.

Software StereoPhoto Maker. Disponível em: http://stereo.jpn.org/eng/stphmkr/.

Souza, T. de A., Oliveira, R. C. (2012). Avaliação da potencialidade de imagens tridimensionais em meio digital para o mapeamento geomorfológico. Revista GEONORTE, Edição Especial, 2(4), 1348-1355. Consultado em: http://www.periodicos.ufam.edu.br/revistageonorte/article/view/2193/2064.

Suertegaray, D. M. A., Nunes, J. O. R. (2001). A natureza da Geografia Física na Geografia. Revista Terra Livre, 17, 11-24. Consultado em: https://www.agb.org.br/publicacoes/index.php/terralivre/article/view/337/319.

##submission.downloads##

Publicado

2021-01-27

Edição

Secção

Metodologias em Geomorfologia