Método para identificação e caracterização morfométrica de depressões fechadas em áreas de carste subjacente: exemplo da Bacia Sedimentar da Paraíba, Brasil

Autores

  • Saulo Roberto de Oliveira Vital UFRN
  • Alcina Magnólia Franca Barreto Universidade Federal de Pernambuco
  • William Sallun Filho Instituto Geológico de São Paulo
  • Caio Lima dos Santos Universidade Estadual da Paraíba

DOI:

https://doi.org/10.21814/physisterrae.3103

Palavras-chave:

Dolinas, Carste, Depressões, Mapeamento

Resumo

O presente artigo pretende divulgar um método para identificação, mapeamento e caracterização morfométrica de depressões fechadas em áreas de carste subjacente. A região analisada encontra-se localizada na zona costeira do Brasil e constitui uma de suas bacias sedimentares costeiras, a Bacia Sedimentar da Paraíba. Nessa área, ocorrem bacias fechadas sobre unidades litoestratigráficas de natureza carbonática, recobertas por sedimentos arenoargilosos inconsolidados, indicando um possível carste. No intuito de compreender sua gênese, foram utilizados dados topográficos advindos de cartas topográficas e de Modelos Digitais de Elevação (MDE) para a identificação de padrões de drenagem radial centrípeta e delimitação dos divisores das bacias fechadas. A partir de então, percebeu-se que o MDE apresentou grande potencial para distinção de padrões de drenagem com maior nível de detalhe. Assim, foi possível inferir características morfométricas importantes, tais como: grau de elipsidade e sinuosidade acima de 1, relação profundidade/diâmetro abaixo de 0,1, áreas acima de 1 km2 e drenagens centrípetas, as quais indicaram, principalmente, forte controle estrutural, evolução predominantemente horizontal e infiltração difusa, que são características típicas de bacias poligonais. Os dados mencionados se mostraram bastante eficientes e satisfatórios, uma vez que permitiram compreender particularidades genéticas primordiais para o estudo de feições dessa natureza.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Arai, M. (2006). A grande evolução eustática do Mioceno e sua influência na origem do Grupo Barreiras. Revista do Instituto de Geociências da USP, 6(2), 1-6. https://doi.org/10.5327/S1519-874X2006000300002

Araújo, M. E. (2013). Água e rocha na definição do sítio de Nossa Senhora das Neves, atual cidade João Pessoa – Paraíba. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Arquitetura Urbanismo, Universidade Federal da Bahia

Aubrecht, R., Lánczos, T., Gregor, M., Schlögl, J., Šmída, B., Liščák, P., Brewer-Carías, Ch., Vlček, L. (2011). Sandstone caves on Venezuelan tepuis: Return to pseudokarst? Geomorphology, 132(3-4), 351-365. https://doi.org/10.1016/j.geomorph.2011.05.023

Aubrecht, R., Lánczos, T., Gregor, M., Schlögl, J., Šmída, B., Liščák, P., Brewer-Carías, Ch., Vlček, L. (2013). Reply to the Comment on “Sandstone caves on Venezuelan tepuis: Return to pseudokarst?”. Geomorphology, 197, 197-203. https://doi.org/10.1016/j.geomorph.2012.11.017

Barbosa, J. A. (2007). A deposição carbonática na faixa costeira Recife-Natal: aspectos estratigráficos, geoquímicos e paleontológicos. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Geociências. Universidade Federal de Pernambuco.

Barbosa, J. A., Souza, E. M., Lima-Filho, M. F., Neumann, V. H. (2003). A estratigrafia da Bacia Paraíba: uma reconsideração. Revista Estudos Geológicos, 13, 89-108.

Brito Neves, B. B., Albuquerque, J. P. T., Coutinho, J. M. V., Bezerra, F. H. R. (2009). Novos dados geológicos e geofísicos para a caracterização geométrica e estratigráfica da Sub-bacia de Alhandra (Sudeste da Paraíba). Revista do Instituto de Geociências, 9, 63-87. https://doi.org/10.5327/Z1519-874x2009000200004

Busche, D., Sponholz, B. (1992). Morphological and micromorphological aspects of the sandstone karst of eastern Niger. Z. Geomorph. N. F., 85, 1-18.

Ćalić, J. (2011). Karstic uvala revisited: Toward a redefinition of the term. Geomorphology, 134, 32-42. https://doi.org/10.1016/j.geomorph.2011.06.029

Carvalho, M. G. R. F. (1982). Estado da Paraíba: classificação geomorfológica. João Pessoa: UFPB/FUNAPE.

Filizola, H. F., Boulet, R. (1996). Evolution and opening of closed depressions developed in a quartz-kaolinitic sedimentar substratum at Taubaté basin (São Paulo, Brazil), and analogy to the slope evolution. Geomorphology, 16(1), 77-86. https://doi.org/10.1016/0169-555X(95)00086-K

Filizola, H. F., Lamotte, M., Fritsch, E. Boulet, R., Araújo Filho, J. C., Silva, F. B. R., Leprun, J. C. (2001). Os fragipãs e duripãs das depressões dos tabuleiros costeiros do nordeste brasileiro: uma proposta de evolução. Revista Brasileira de Ciência do Solo, 25(4), 947-963. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-06832001000400018

Furrier, M. (2007). Caracterização geomorfológica e do meio físico da folha João Pessoa – 1:100.000. Programa de Pós-Graduação em Geografia Física, Universidade de São Paulo.

Furrier, M., Araújo, M. E., Meneses, L. F. (2006). Geomorfologia e Tectônica da Formação Barreiras no Estado da Paraíba. Revista do Instituto de Geociências, 6(2), 61-70. https://doi.org/10.5327/S1519-874X2006000300008

Furrier, M., Vital, S. R. O. (2011). A formação de Dolinas em áreas urbanas: o caso do bairro de Cruz das Armas em João Pessoa (PB). Revista Brasileira de Geografia Física, 4(1), 161-173. https://doi.org/10.26848/rbgf.v4i1.232672

Guerra, A. T., Guerra, A. J. T. (2008). Novo Dicionário Geológico-Geomorfológico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Hardt, R. (2011). Da carstificação em arenitos: aproximação com o suporte de geotecnologias. Tese de Doutorado, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista.

Lummertz, F. B. (1977). Aspectos da hidráulica subterrânea na área da Grande João Pessoa. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Pernambuco.

Mabesoone, J. M., Rolim, J. L. (1982). Problemas estratigráficos e sedimentológicos do cenozóico nordestino. Estudos Pesquisas, 5, 7-18.

Mabesoone, J. M., Silva, A. C., Beurlen, K. (1972). Estratigrafia e origem do Grupo Barreiras em Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte. Revista Brasileira de Geociências, 2(3), 173-187.

Marinho, E. G. A. (2011). Bases geológicas e geomorfológicas das organizações espaciais no município de João Pessoa (PB). Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Geociências, Universidade Federal de Pernambuco.

Maurity, C.; Kotschoubey, B. (2001). Pseudokarst features in the lateritic cover of Serra dos Carajás – Pará State, Brazil. In: Anais… International Congress of Speleology, 13., Speleological Congress of Latin América and Caribbean, 4., Brazilian Congress of Speleology, 26. Brasília, pp. 389-411.

Melo, A. S. T., Heckendorff, W. D., Alves, E. L., Guimarães, M. M. M. (2001). O meio ambiente natural: componentes abióticos e bióticos. In: Melo, A. S. T. et al. (Org.). Projeto de Pesquisa: Vale do Jaguaribe. João Pessoa: Ed. UNIPÊ.

Oliveira, F. B. (2001). Degradação do meio físico e implicações ambientais na bacia do rio Jaguaribe – João Pessoa – PB. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Geociências. Universidade Federal de Pernambuco.

Sallun Filho, W., Karmann, I. (2007). Dolinas em arenitos da Bacia do Paraná: evidências de carste subjacente em Jardim (MS) e Ponta Grossa (PR). Rev. Brasileira de Geociências, 37(3), 551-564.

Sauro, F., Piccini, L., Mecchia, M., Waele, J. (2013). Comment on “Sandsatone caves on Venezuelan tepuis: Return to pseudokarst? by R. Aubrecht, T. Lánczos, M. Gregor, J. Schlögl, B. Smída, P. Liscák, Ch. Brewer-Carías, L. Vlcek, Geomorphology 132 (2011), 351–365”. Geomorphology, 197, 190-196. https://doi.org/10.1016/j.geomorph.2012.11.015

Soriano, M. A.; Simón, J. L. (1995). Alluvial dolines in the central Ebro basin, Spain: a spatial and developmental hazard analysis. Geomorphology, 11(4), 295-309. https://doi.org/10.1016/0169-555X(94)00066-Z

Sponholz, B. (1994). Silicate karst associated with lateritic formations (examples from eastern Niger). Catena, 21(2-3), 269-278. https://doi.org/10.1016/0341-8162(94)90017-5

Stafford, K. W.; Shaw-Faulkner, M. G.; Brown, W. A. (2013). Clastic sinkhole and pseudokarst development in east Texas. In: Anais… Sinkdole Conference, 13., Texas, Eua, pp. 36-50.

Twidale, C. R. (1987). Sinkholes (Dolines) in lateritised sediments, western sturt plateau, northern territory, Austrália. Geomorphology, 1(1), 33-52. https://doi.org/10.1016/0169-555X(87)90005-5

Valeriano, M., Albuquerque, P. C. G. (2010). TOPODATA: Processamento dos dados SRTM. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, São José dos Campos, SP. Disponível em 18 de fevereiro de 2014 em: http://urlib.net/sid.inpe.br/mtc-m19@80/2010/05.10.18.42

Williams, P.W. (1972). Morphometric analysis of polygonal karst in New Guinea. Geological Society of America Bulletin, 83(3), 761-96. https://doi.org/10.1130/0016-7606(1972)83[761:MAOPKI]2.0.CO;2

Wray. R. A. L. (1997). A global review of solutional weathering forms on quartz sandstones. Earth Science Reviews, 42(3), 137-160. https://doi.org/10.1016/S0012-8252(96)00056-6

##submission.downloads##

Publicado

2021-01-27

Edição

Secção

Metodologias em Geomorfologia