Reflexões sobre o Antropoceno, o paradigma da espécie humana e seu domínio ilusório sobre a Terra

Autores

  • Alexandre Nascimento

DOI:

https://doi.org/10.21814/anthropocenica.3093

Resumo

Este ensaio compartilha reflexões sobre o Antropoceno de uma perspetiva ecológica e evolutiva da espécie humana. Parte-se da crise contemporânea da biodiversidade e da dinâmica e história da vida na Terra para contextualizar a sexta extinção em massa do Antropoceno, uma armadilha evolutiva que coloca em risco o seu próprio agente causador. A compreensão do “tempo profundo” geológico e evolutivo e dos cursos e percalços da história biótica evidenciam a vida como um imperativo da Terra. Esta perspetiva coloca o ser humano em posição de igualdade com qualquer outra espécie que já tenha florescido, no passado ou no presente, da evolução biológica. A origem evolutiva do espécie-centrismo humano é discutida e o antropocentrismo é apresentado como força motriz do Antropoceno. A crise sistémica do Antropoceno é posta como pressão de seleção cultural humana, que deve nortear-se pela sustentabilidade e pelo biocentrismo. Especula-se sobre o futuro evolutivo da jornada humana na Terra, a fixação de valores e princípios socioculturais e a necessidade de a humanidade contemporânea reconhecer-se como uma única tribo global que deve ser capaz de sustentar-se mutuamente.

Referências

Acosta, A. (2016). O bem viver: uma oportunidade para imaginar outros mundos. São Paulo: Editora Elefante.

Acosta, A. & Brand, U. (2018). Pós-extrativismo e decrescimento: saídas do labirinto capitalista. São Paulo: Editora Elefante.

Amigo, I. (2020) The Amazon’s Fragile Future. Nature, 578, pp. 505-507. https://media.nature.com/original/magazine-assets/d41586-020-00508-4/d41586-020-00508-4.pdf?fbclid=IwAR10iyWZMfqQ13nyk9wkto5GDFzIBzqkGcVUfMb3Ybgop-wU9s4_9OyvvM0

Bar-On, Y., Phillips, R. & Milo, R. (2018). The biomass distribution on Earth. PNAS 115(25), pp. 6506-6511.

Barnosky, A. D., Matzke, N., Tomiya, S., Wogan, G. O., Swartz, B., Quental, T. B., Marshall, C., McGuire, J. L., Lindsey, E. L., Maguire, K. C., Mersey, B., & Ferrer, E. A. (2011). Has the Earth's sixth mass extinction already arrived? Nature, 471(7336), 51-57.

Begon, M., Harper, J. & Townsend, C. (2007). Ecologia: de Indivíduos a Ecossistemas. 4. ed. Porto Alegre: Artmed.

Benton M. J. (1995). Diversification and extinction in the history of life. Science (New York, N.Y.), 268(5207), 52-58. https://doi.org/10.1126/science.7701342

Bertolami, O. & Francisco, F. (2019). A physical framework for the earth system in the Anthropocene: towards an accountancy system. In J. Mendes & B. Sylla (Eds.), EIBEA 2019. Encontro Iberoamericano de Estudos do Antropoceno. Atas (pp. 41-52). Braga. Portugal. http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/62541

Brusatte, S. (2019). Ascensão e queda dos dinossauros: uma nova história do mundo perdido. 1ª ed. São Paulo: Record.

CDB. (1992). Convenção Internacional Sobre a Diversidade Biológica. Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. Rio de Janeiro. https://www.mma.gov.br/informma/item/7513-convencao-sobre-diversidade-biologica-cdb

Ceballos, G., Ehrlich, P., Barnosky, A., García, A., Pringle, R. & Palmer, R. (2015). Accelerated modern human-induced species losses: Entering the sixth mass extinction. Science Advances, 1(5). https://advances.sciencemag.org/content/1/5/e1400253

Ceballos, G., Ehrlich, P. & Raven, P. (2020). Vertebrates on the brink as indicators of biological annihilation and the sixth mass extinction. PNAS, 117(24), pp. 13596-13602.

Damásio, A. (2018). A estranha ordem das coisas: as origens biológicas dos sentimentos e da cultura. 1ª ed. São Paulo: Companhia das Letras.

Darwin, C. (1871). Descent of Man. Londres: John Murray.

Dawkins, R. (2007). O gene egoísta. Trad. Rejane Rubino. São Paulo: Companhia das Letras.

Dirzo, R., Young, H., Galetti, M., Ceballos, G., Isaac, N. & Collen, B. (2014). Defaunation in the Anthropocene. Science, 345(6195), pp. 401-406. https://science.sciencemag.org/content/345/6195/401

Harari, Y. (2015). Sapiens – uma breve história da humanidade. 8ª ed. Porto Alegre: RS: L&PM.

Hublin, J.-J., Ben-Ncer, A., Bailey, S. E., Freidline, S. E., Neubauer, S., Skinner, M. M., Bergmann, I., Le Cabec, A., Benazzi, S., Harvati, K., & Gunz, P. (2017). New fossils from Jebel Irhoud, Morocco and the pan-African origin of Homo sapiens. Nature, 546(7657), pp. 289–292.

Hutchinson, G. (1965). The ecological theater and the evolutionary play. New Haven, CT: Yale University Press.

Isbell, F., Gonzalez, A., Loreau, M., Cowles, J., Díaz, S., Hector, A., MacE, G. M., Wardle, D. A., O'Connor, M. I., Duffy, J. E., Turnbull, L. A., Thompson, P. L., & Larigauderie, A. (2017). Linking the influence and dependence of people on biodiversity across scales. Nature, 546(7656), 65-72.

Jablonski, D. (1986). Background and Mass Extinctions: The Alternation of Macroevolutionary Regimes. Science, 231(4734), pp. 129-133. https://science.sciencemag.org/content/231/4734/129?ijkey=2f1b812a32bb0a8b2cc924691a699dd9cb7de575&keytype2=tf_ipsecsha

Kolbert, E. (2015). A Sexta Extinção: uma história não natural. 1ª edição. Tradução Mauro Pinheiro. Rio de Janeiro: Editora Intrínseca.

Mlodinow, L. (2015). De primatas a astronautas: a jornada do homem em busca do conhecimento. 1ª ed. Rio de Janeiro: Zahar.

Marques-Filho, L. (2016). Capitalismo e colapso ambiental. 2ª ed. rev. e ampl. Campinas, SP: Editora da Unicamp.

Noss, R. (1990). Indicators for Monitoring Biodiversity: A Hierarchical Approach. Conservation Biology, 4, pp. 355-364. https://conbio.onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1523-1739.1990.tb00309.x

Ridley, M. (2006). Evolução. 3a ed. Porto Alegre: Artmed.

Richter, D., Grün, R., Joannes-Boyau, R., Steele, T. E., Amani, F., Rué, M., Fernandes, P., Raynal, J. P., Geraads, D., Ben-Ncer, A., Hublin, J. J., & McPherron, S. P. (2017). The age of the hominin fossils from Jebel Irhoud, Morocco, and the origins of the Middle Stone Age. Nature, 546(7657), 293-296.

Sagan, C. (2006). O mundo assombrado pelos demônios: a ciência vista como uma vela no escuro. Trad.: Rosaura Eichenberg. São Paulo: Companhia das Letras.

Santos, B. (2020). A cruel pedagogia do vírus. São Paulo: Editora Boitempo.

Safatle, V. (2020). Bem-vindo ao Estado suicidário. Jornal GG. https://jornalggn.com.br/blog/doney/bem-vindo-ao-estado-suicidario-por-vladimir-safatle-n-1-edicoes

Schopf, J. (1993). Microfossils of the Early Archean Apex chert: new evidence of the antiquity of life. Science, New Series, 260(5108), pp. 640-646.

Steffen, W., Rockström, J., Richardson, K., Lenton, T. M., Folke, C., Liverman, D., Summerhayes, C. P., Barnosky, A. D., Cornell, S. E., Crucifix, M., Donges, J. F., Fetzer, I., Lade, S. J., Scheffer, M., Winkelmann, R., & Schellnhuber, H. J. (2018). Trajectories of the Earth System in the Anthropocene. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America, 115(33), 8252-8259.

Solón, P. (2019). Alternativas sistêmicas: bem viver, decrescimento, comuns, ecofeminismo, direitos da mãe Terra e desglobalização. Organização Pablo Solón. São Paulo: Editora Elefante.

Veiga, J. (2019). O Antropoceno e a ciência do sistema Terra. São Paulo: Editora 34.

Veiga, J. (2017). A primeira utopia do Antropoceno. Ambiente & Sociedade, 20(2), p. 233-252.

Wallace-Wells, D. (2019). A Terra Inabitável: uma história do futuro. 1ª edição. Tradução Cássio de Arantes Leite. São Paulo: Companhia das Letras.

Waters, C. N., Zalasiewicz, J., Summerhayes, C., Barnosky, A. D., Poirier, C., Gałuszka, A., Cearreta, A., Edgeworth, M., Ellis, E. C., Ellis, M., Jeandel, C., Leinfelder, R., McNeill, J. R., Richter, D. d., Steffen, W., Syvitski, J., Vidas, D., Wagreich, M., Williams, M., Zhisheng, A., … Wolfe, A. P. (2016). The Anthropocene is functionally and stratigraphically distinct from the Holocene. Science (New York, N.Y.), 351(6269), aad2622.

Williams, R. (2011). Cultura e Sociedade: De Coleridge a Orwell. Trad.: Vera Joscelyne. São Paulo: Editora Vozes.

Wilson, E. (2018). O sentido da existência humana. 1ª ed. Trad.: Érico Assis. São Paulo: Companhia das Letras.

Wilson, E.; Hölldobler, B. (2005). Eusociality: Origin and consequences. PNAS 102(38), pp. 13367-13371.

Downloads

Publicado

2020-11-11

Como Citar

Nascimento, A. (2020). Reflexões sobre o Antropoceno, o paradigma da espécie humana e seu domínio ilusório sobre a Terra. Anthropocenica. Revista De Estudos Do Antropoceno E Ecocrítica, 1. https://doi.org/10.21814/anthropocenica.3093

Edição

Secção

Artigos