Educação física escolar e cibercultura: Construção colaborativa de Exergames na educação básica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21814/h2d.2528

Palavras-chave:

tecnologias digitais, exergames, ensino de educação física

Resumo

Com o desenvolvimento das Tecnologias Digitais, surgem novas experiências interativas, como os Exergames (EXG), possibilitando o movimento corporal, ampliando o desafio para o ensino da Educação Física. Nesse sentido, baseado na Teoria Ator-Rede (TAR), este estudo apresenta o percurso de associações deixadas pelos estudantes na rede, objetivando apresentar as ações de navegação desses sujeitos no momento da construção dos EXG. Os resultados apontam que os estudantes se fizeram sujeitos actantes-mediadores ao refletirem criticamente sobre as informações adquiridas, transformando-as, colaborativamente, em conhecimento. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Almeida, A. S. de (2008). Interfaces metodológicas da educação física crítico emancipatória. Revista HISTEDBR On-line, 30, 27-38.

Almeida, A. S. de, & Lucas, B. B. (2010). A educação física sob direção de Kunz. Revista Conexões, 8(1), 77-99. https://doi.org/10.20396/conex.v8i1.8637756

Alves, L. (2007). Jogos eletrônicos e screenagens: possibilidades de desenvolvimentos e aprendizagem. In: E.M. Silva, F. Moita, & R.Sousa (Eds.), Jogos eletrônicos: construindo novas trilhas. EDUEP.

Alves, L. (2008). Relações entre os jogos digitais e aprendizagem: delineando percurso. Educação, Formação & Tecnologias, 1(2), 3-10. https://eft.educom.pt/index.php/eft/article/view/58

Aranha, G. (2004). O processo de consolidação dos jogos eletrônicos como instrumento de comunicação e de construção de conhecimento. Revista Ciência & Cognição, 3, 21-62. http://www.cienciasecognicao.org/revista/index.php/cec/article/view/473/250

Baracho, Ana F. de O. , Gripp, F. J., & Lima, M. R. de (2012).Os exergames e a educação física escolar na cultura digital. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 34(1), 111-126. https://www.scielo.br/pdf/rbce/v34n1/v34n1a09.pdf

Betti, M. (2007). A Educação Física e Cultura Corporal de Movimento: uma perspectiva fenomenológica e semiótica. Journal of Physical Education, 18(2), 207-217. http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/RevEducFis/article/view/3277

Borges, M. K. (2004). Educação e Tecnologias Digitais: uma proposta de inclusão digital destinada a professores em formação.XI Congresso Internacional de Educação a Distância. http://www.abed.org.br/congresso2004/por/htm/133ATCA D2.htm

Bracht, V. (2007). Educação Física & Ciência: cenas de um casamento (in)feliz (3ª ed.). Unijuí.

Burnham, T. F. (2000). Sociedade da informação, sociedade do conhecimento, sociedade da aprendizagem: implicações ético-políticas no limiar do século. In N. M. L. Lubisco & Lídia M. B. Brandão (Eds.), Informação e informática (pp. 283-307). EDUFBA.

Busarello, R. I., Bieging, P., Ulbricht, V. R. (2012). Narrativas interativas: imersão, participação e transformação no caso da nova tecnologia para games “kinect”. RuMoRes, 6(11), 145-161. https://doi.org/10.11606/issn.1982-677X.rum.2012.51294.

Cruz, D. M. (2007). A intertextualidade entre os games e o cinema: criando estórias para o entretenimento interativo. In E. M. Silva, F. C. Moita, & R. P. de Sousa (Eds.), Jogos eletrônicos: construindo novas trilhas (pp. 124-142). EDUEP.

Csikszentmihaly, M. (1999). A Descoberta do Fluxo: A Psicologia do Envolvimento com a Vida Cotidiana. Rocco.

Daolio, J. (1996). Educação física escolar: em busca da pluralidade. Revista Paulista de EducaçãoFísica, (supl. 2), 40-42. https://doi.org/10.11606/issn.2594-5904.rpef.1996.139646

Escobar, M. O., & TaffareL, C. N. Z. (2009) A cultura corporal. In J. F. Hermida (Ed.), Educação Física: conhecimento e saber escolar (pp. 173-180). EDUFPB.

Feres Neto, A. (2001). A virtualização do esporte e suas novas vivências eletrônicas [Tese de doutorado, Universidade Estadual de Campinas]. http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/253458

Fragoso, S., & Amaro, M. (2018). Introdução aos estudos dos jogos. EDUFBA.

Gadamer, H.-G. (1997). Verdade e Método: traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. Editora Vozes.

Gee, J. P. (2004). What video games have to teach us about learning and literacy. Palgrave Mcmillan.

Gros, B. (1998). Jugando con los Videojuegos: educación y entretenimiento. Desclée de Brouwer.

Huizinga, J. (2007). Homo Ludens: o jogo como elemento da cultura. Perspectiva.

Ingold, T. (2008). Tres en uno: Cómo disolver las distinciones entre cuerpo, mente y cultura. In T. S.Criado(Ed.), Tecnogénesis. (Vol. 2, pp. 1-33). AIBR.

Jenkins, H. (2006). Confront in the Challenges of Participatory Culture: Media Education for the 21st Century. MacArthur.

Kano, A. A., Salgado, K. R., Souza, G. V., & Chacon-Mikahil, M. (2014). Jogos eletrônicos interativos: uma possibilidade de atividade física regular pela resposta do consumo de oxigênio. X Seminário de Jogos Eletrônicos, Educação e Comunicação. http://www.comunidadesvirtuais.pro.br/seminario-jogos/files/JOGOS%20ELETR%C3%94NICOS%20INTERATIVOS.pdf

Kunz, E. (2006) Pedagogia do Esporte, do Movimento ou da Educação Física. In E. Kunz & A. H. Trebels (Eds.), Educação Física Crítico-Emancipatória: com uma Perspectiva Alemã do Esporte(pp. 11-22). Editora Ijuí.

Kunz, E. (1994). Transformação didática-pedagógica do esporte. Unijuí.

Kunz, E., & Santos, L. E. (2009). Se-Movimentar: Uma concepção fenomenológica do movimento humano. In J. F. Hermida (Ed.), Educação Física: conhecimento e saber escolar (pp. 181-198). Editora Universitária da UFPB.

Larrosa, J. (2011). Experiência e alteridade em educação. Reflexão e Ação, 19(2), 4-27. http://dx.doi.org/10.17058/rea.v19i2.2444

Latour, B. (2012). Reagregando o social: uma introdução à teoria do Ator-Rede. Edufba /Edusc.

Lemos, A. (2013). A comunicação das coisas. Teoria ator-rede e cibercultura. Annablume.

Lemos, A. (2006). Ciberespaço e tecnologias móveis: processos de territorialização e desterritorialização na Cibercultura. XV Encontro Anual da Compós. http://www.compos.org.br/data/biblioteca_531.pdf

Lévy, P. (2003). A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço (4ª ed.). Loyola.

Lévy, P. (1999). Cibercultura. Editora 34.

Marinho, A. (2008). Lazer, aventura e risco: reflexões sobre atividades realizadas na natureza. Revista Movimento, 14(2). https://doi.org/10.22456/1982-8918.5756

Marinho, F. C. V. (2014). Saberes docentes para a promoção de aprendizagem em ciências e matemática a partir do desenvolvimento de jogos digitais [Tese de doutorado]. Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Miranda, F, & Stadzisz, P. (2017). Jogo Digital: definição do termo. XVI Simpósio Brasileiro de Games e Entretenimento Digital. https://wp.ufpel.edu.br/exergamelabbrazil/files/2018/07/SBgames-2012-original.pdf

Moita, F. C. (2007).Games: contexto cultural e curricular de "saberes de experiências feitas. In E. M. Silva., F. C. Moita, & R. P. de Sousa (Eds.), Jogos eletrônicos: construindo novas trilhas(pp. 43-62). EDUEP.

Moita, F. (2007). Game on: Jogos eletrônicos na escola e na vida da geração @. Alínea.

Neira, M G. (2009). Em defesa do jogo como conteúdo cultural do currículo da educação física currículo da educação física. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, (8)2, 25-41. http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/remef/article/view/1719

Papert, S. (1994). A máquina das crianças. Artes Médicas.

Reis, L. J. A. (2013). Sozinho, mas junto: sociabilidade e violência no World of Warcraft [Tese de doutorado]. Universidade Federal do Paraná.

Ribeiro, J. N. G. (2013). A Nintendo Wii® como estratégia para a melhoria do Perfil Psicomotor de Crianças com PHDA [Dissertação de mestrado]. Instituto Politécnico de Castelo Branco.

Santaella, L. (2004). Navegar no ciberespaço: O perfil do leitor imersivo. Paulus.

Santaella, L. (2007). Os múltiplos sentidos do pós-humano. In L. Sataella (Ed.), Linguagens líquidas na era a mobilidade. Paulus.

Sinclair, J., Hingston, P., & Masek, M (2007). Considerations for the design of exergames. In Proceedings of the 5th international conference on Computer graphics and interactive techniques in Australia and Southeast Asia (GRAPHITE '07). Association for Computing Machinery, New York, NY, USA, 289–295. https://doi.org/10.1145/1321261.1321313

Sothern, M. (2004). Obesity prevention in children: Physical activity and nutrition. Nutrition, 20(7–8), 704–708. https://doi.org/10.1016/j.nut.2004.04.007

Tonelli, D. F., Brito, M. J., & Zambalde, A. L. (2011). Empreendedorismo na ótica da teoria ator-rede:explorando alternativa às perspectivas subjetivista e objetivista. Cadernos EBAPE.BR, 9(spe1), 586-603. https://dx.doi.org/10.1590/S1679-39512011000600008

Tore, P. A., & Raiola, G. (2012). Exergames in motor skill learning. Journal of physical education and sport, 12(3), 358-361. http://dx.doi.org/10.7752/jpes.2012.03053

Vaghetti, C. A., Mustaro, P., & Botelho, S. (2011). Exergames no ciberespaço: uma possibilidade para a Educação Física. XVI Simpósio Brasileiro de Games e Entretenimento Digital. http://www.sbgames.org/sbgames2011/proceedings/sbgames/papers/cult/full/92287_1.pdf

Vaghetti, C. A., Sperotto, R. I., Penna, R., Castro, R. I., & Botelho, S. S. C. (2012). Exergames: Um desafio à Educação Física na era tecnológica. Revista Educação e Tecnologia, 12. http://revistas.utfpr.edu.br/pb/index.php/revedutec-ct/article/view/1547

Vaghetti, C. A., Vieira, K., & Botelho, S. (2016). Cultura digital e educação física: problematizando a inserção de Exergames no currículo. Educação: Teoria e Prática,26(51), 3-18. https://doi.org/10.18675/1981-8106.vol26.n51.p03-18

Downloads

Publicado

2020-06-30

Como Citar

Renan, E., Anecleto, Úrsula, & Xavier, R. (2020). Educação física escolar e cibercultura: Construção colaborativa de Exergames na educação básica. H2D|Revista De Humanidades Digitais, 2(1). https://doi.org/10.21814/h2d.2528