Conversas em Português: estratégia de interação oral entre estudantes Erasmus e portugueses em tempo de pandemia/COVID-19

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21814/h2d.2865

Palavras-chave:

erasmus, português como língua estrangeira, competência comunicativa intercultural

Resumo

No 2º semestre do ano letivo 2019-2020, por força da COVID-19, os estudantes Erasmus que frequentavam as várias unidades orgânicas do Instituto Politécnico de Lisboa viram-se privados da possibilidade que uma experiência académica internacional promove, nomeadamente o contacto social e em imersão linguística no país escolhido para estudar. O isolamento social a que nos vimos obrigados impediu, desta forma, a natural aquisição de uma língua em contexto de imersão, motivo pelo qual se pensou que seria de máxima importância proporcionar a estes estudantes a oportunidade de desenvolverem a sua competência comunicativa em português. Tendo como objetivos i) minimizar o isolamento social dos estudantes do ensino superior; ii) favorecer o enriquecimento linguístico em língua portuguesa, em contexto informal, dos estudantes Erasmus e iii) contribuir para a valorização intercultural dos estudantes, foi levada a cabo uma estratégia que pôs em diálogo estudantes Erasmus e portugueses, em quatro conversas informais orientadas, que culminou num processo de reflexão dos intervenientes, com base num inquérito por questionário. Os resultados testemunham as vantagens desta experiência, nomeadamente no que se refere à componente intercultural e ao desenvolvimento da expressão oral em português.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Byram, M., Gribkova, B., & Starkey, H. (2002). Developing the intercultural dimension in language teaching. Council of Europe. http://www.coe.int/t/dg4/linguistic/source/guide_dimintercult_en.pdf

Byram, M. (2008). From foreign language education to education for intercultural citizenship: essays and reflections. Multilingual Matters.

Carvalho, K., Messias, R., & Mendoza, A. (2015). Teletandem within the Context of closely-related languages: a Portuguese-Spanish interinstitutional experience. DELTA: Documentação de Estudos em Lingüística Teórica e Aplicada, 31(3), 711-728. https://doi.org/10.1590/0102-445073456257282854

Conselho da Europa. (2002). Quadro europeu comum de referência para as línguas (2ª Ed.). Asa.

Dobinson, T. (2014). Occupying the ‘Third Space’: Perspectives and experiences of asian english language teachers. In K. Dunworth, & G. Zhang (Eds.), Critical perspectives on language education, multilingual education (pp. 9-27). Springer International Publishing. https://doi.org/10.1007/978-3-319-06185-6_2

Feng, A. (2009). Becoming interculturally competent in a Third Space. In A. Feng, M. Byram, & M. Fleming (Eds.), Becoming interculturally competent through education and training (pp. 71-92). Multilingual Matters. https://doi.org/10.21832/9781847691644

Mendoza, A. (2014). Las interacciones de Teletandem entre la mediateca del CELEUNAM y la Universidade Nacional Estadual de São Paulo, UNESP, campus Assis, como una experiencia de autonomía. Revista Electrónica de la Mediateca del CELE-UNAM. 6(1), 1-23.

Egbert J. (2020) The new normal?: A pandemic of task engagement in language learning. Foreign Language Annals. 53(2), 314-319. https://doi.org/10.1111/flan.12452

Grosso, M. J. (Ed.) (2011). QuaREPE Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro. Documento Orientador. Ministério da Educação. https://www.dge.mec.pt/sites/default/files/EEstrangeiro/2012_quarepe_docorientador.pdf

Hilsdon, J. (2013). Peer learning for change in higher education. Innovations in Education and Teaching International. 51(3), 244-254. https://doi.org/10.1080/14703297.2013.796709

Nistor-Gâz, R. (2020). Love Makes The World Go Round… But So Do Second Language Proficiency And Intercultural Communicative Competence. Redefining Community in Intercultural Context, 9(1), 121-129.

Oliveira, I., Miranda, B., & Barreira, C. (2020). A construção de comunidades virtuais de aprendizagem na formação de supervisores e líderes pedagógicos. RE@D - Revista de Educação a Distância e Elearning, 3(1). https://doi.org/10.34627/re@d_le@d.v3i1.175

Pomino, J., & Gil-Salom, D. (2016). Integrating e-tandem in Higher Education. Procedia - Social and Behavioral Sciences, 228, 668–673. https://doi.org/10.1016/j.sbspro.2016.07.102

Tuckman, B. (2000). Manual de investigação em educação. Como conceber e realizar o processo de investigação em Educação (2ª Ed.). Fundação Calouste Gulbenkian.

Vassallo, M. L., & Telles, J. A. (2006). Foreign Language Learning In-Tandem: Theoretical principals and research perspectives. The Especialist, 27(1), 83-118. https://revistas.pucsp.br/index.php/esp/article/view/6117

Watanabe, Y., & Swain, M. (2007). Effects of proficiency differences and patterns of pair interaction on second language learning: Collaborative dialogue between adult ESL learners. Language Teaching Research, 11(2), 121–142. https://doi.org/10.1177/136216880607074599

Ziegler, G., Durus, N., Max, C., & Moreau, R. (2014). Peer Language Learning: Perspectives from blended, face-to-face and social media interactions. Open Education Europa. http://hdl.handle.net/10993/18198

Downloads

Publicado

2020-12-31

Como Citar

Boleo, A. (2020). Conversas em Português: estratégia de interação oral entre estudantes Erasmus e portugueses em tempo de pandemia/COVID-19. H2D|Revista De Humanidades Digitais, 2(2). https://doi.org/10.21814/h2d.2865