Jogos digitais como motivação para o desenvolvimento da leitura

Autores

  • Regina Cláudia Pinheiro
  • Francisco Alexandre Lima
  • Júlio Araújo

DOI:

https://doi.org/10.21814/diacritica.349

Palavras-chave:

Leitura, Motivação, Jogos digitais

Resumo

Neste artigo, objetivamos verificar se e como os jogos digitais motivam jovens que cursam o Ensino Médio em escola pública para a prática de leitura. A fundamentação teórica foi construída com base nos estudos de Bamberger (1991), Solé (1998), Kleiman (1989), Bazerman (2015), Antunes (2000), Prensky (2012) e Burke (2015). A metodologia consiste na aplicação de jogos digitais como auxílio de leitura a um pequeno grupo de alunos de primeiro ano de uma escola pública brasileira, no município de Solonópole, estado do Ceará, com a colaboração de uma professora de Língua Portuguesa. Para tanto, realizamos um estudo de caso com abordagem quantitativa e qualitativa, observando as aulas através de jogos digitais e realizando entrevistas com os alunos. Os resultados demonstram que as aplicações dos jogos digitais, nas condições oferecidas, motivaram os participantes para a prática de leitura.

Referências

Bamberger, R. (1991). Como incentivar o hábito de leitura. São Paulo: Editora Ática.

Bazerman, C. (2015). Teoria da ação letrada. São Paulo: Parábola Editorial.

Burke, B. (2015). Gamificar: como a gamificação motiva as pessoas a fazerem coisas extraordinárias. São Paulo: DVS Editora.

Coscarelli, C. V. (2016). Tecnologias para aprender. (1ª ed.) São Paulo: Parábola Editorial.

Ferreira, J. S. A. (2016). Incentivar para leitura. Estratégias de promoção do gosto pela leitura utilizada pela família e professores de alunos do 1.º Ciclo do Ensino Básico, 149 (Dissertação de mestrado, Instituto Superior de Educação e de Ciências, Lisboa, Portugal). <https://comum.rcaap.pt/bitstream/10400.26/20610/1/Relat%C3%B3rio%20Final%20de%20Mestrado.pdf>. Consultado em: 19 abr. 2018.

Gerhart, T. E. (2009). Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Günther, H. (2006). Pesquisa Qualitativa Versus Pesquisa Quantitativa: Esta é a questão? Psicologia: Teoria e Pesquisa, 22 (2), 201–210. <http://www.scielo.br/pdf/%0D/ptp/v22n2/a10v22n2.pdf>. Consultado em: 21 out. 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-37722006000200010

Instituto Pró-Livro (s.d.). Fomento à leitura e acesso ao livro. 44% da população brasileira não lê e 30% nunca comprou um livro, aponta pesquisa Retratos da Leitura. <http://prolivro.org.br/home/ipl-na-midia/clipping/8577-44-da-populacao-brasileira-nao-le-e-30-nunca-comprou-um-livro-aponta-pesquisa-retratos-da-leitura-o-diario-de-sao-jorge-do-ivai-07-06-2018>. Consultado em: 21 out. 2018.

Kleiman, A. (1989). Leitura: ensino e pesquisa. São Paulo: Pontes.

Ludke, M. & André, M. (1986). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU.

Morais, E. V. D., Castro, M. P. de. & Santos, U. N. Dos. (2018). Jogos digitais como ferramenta de auxílio à alfabetização: um relato de experiência. Revista Tecnologias na Educação, 10 (25). <http://tecedu.pro.br/wp-content/uploads/2018/07/Rel3-vol25-Julho2018.pdf>. Consultado em: 20 nov. 2018.

Nogueira, D., Coscarelli, C., Chiamowicz, L. & Prates, R. (2010). Papa-Letras: um jogo de auxílio à alfabetização infantil. Simpósio Brasileiro De Jogos E Entretenimento Digital (Sbgames), 170–174. <http://sbgames.org/papers/sbgames10/culture/full/full19.pdf>. Consultado em: 2 nov. 2018.

Pinheiro, R. C., Cavalcante, G. R. M. & Amorim, N. O. (2018). Jogos digitais para alfabetização: avaliando e reconfigurando o jogo Batalha Naval. Domínios de Lingu@gem, 12 (1). <https://doi.org/10.14393/DL33-v12n1a2018-23>. Consultado em: 30 jan. 2019. DOI: https://doi.org/10.14393/DL33-v12n1a2018-23

Prensky, M. (2012). Aprendizagem baseada em jogos digitais. São Paulo: Editora Senac.

Rufini, S. E., Bzuneck, J. A. & Oliveira, K. L. (2011). Estudo de validação de uma medida de avaliação da motivação para alunos do ensino fundamental. Psico-USF, 16 (1), 1–9. <https://www.redalyc.org/pdf/4010/401036084002.pdf>. Consultado em: 26 mai. 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-82712011000100002

Silva, E. L. da, Franz, C. & Cruz, D. M. (2015). Experimentações do uso de jogos digitais na disciplina de Língua Portuguesa. Anais do 6º Simpósio Hipertexto e Tecnologias Na Educação. <http://www.nehte.com.br/simposio/anais/Anais-Hipertexto2015/Experimenta%C3%A7%C3%B5es%20do%20uso%20de%20jogos.pdf>. Consultado em: 18 dez. 2018.

Smith, F. (1999). Leitura significativa (Trad. Beatriz Affonso Neves). (3ª ed.) Porto Alegre: Editora Artes Médicas Sul LTDA.

Solé, I. (1998). Estratégias de leitura. Porto Alegre: Artmed.

Yin, R. K. (2001). Estudo de caso: planejamento e métodos. (2ª ed.) Porto Alegre: Bookman. <https://saudeglobaldotorg1.files.wordpress.com/2014/02/yin-metodologia_da_pesquisa_estudo_de_caso_yin.pdf>. Consultado em: 11 abr. 2018.

Downloads

Publicado

07-04-2020

Como Citar

Pinheiro, R. C., Lima, F. A., & Araújo, J. (2020). Jogos digitais como motivação para o desenvolvimento da leitura. Diacrítica, 34(1), 173–198. https://doi.org/10.21814/diacritica.349