Número e género nominais no desenvolvimento do português de Timor-Leste

Autores

  • Isabel A. Santos Centros de Estudos de Linguística Geral e Aplicada (CELGA-ILTEC) - Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (Portugal)
  • Cristina Martins Centros de Estudos de Linguística Geral e Aplicada (CELGA-ILTEC) - Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (Portugal)
  • Isabel Pereira Centros de Estudos de Linguística Geral e Aplicada (CELGA-ILTEC) - Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (Portugal)

DOI:

https://doi.org/10.21814/diacritica.439

Palavras-chave:

Concordância nomial, Género gramatical, Português de Timor-Leste (PTL), Variedade não nativa (VNN), Português língua estrangeira (PLE)

Resumo

O presente estudo contribui para a descrição do português de Timor-Leste (PTL), analisando padrões variáveis de concordância nominal em número e em género registados nessa variedade. A relevância desta investigação decorre do facto de o PTL constituir uma variedade nacional não nativa (VNN) do português, ainda escassamente descrita. O facto dese tratar de uma VNN emergente torna o seu estudo relevante para a compreensão do processo de formação histórica das restantes VNN do português. As VNN resultam de um processo de aquisição, como língua não materna (LNM), de um idioma que, num determinado território, assume o estatuto de língua oficial, isto é, de língua segunda (LS). O confronto entre as produções deste tipo de falantese as de aprendentes de língua estrangeira (LE) permite realçar padrões de comportamento comuns e/ou específicos. Procede-se, aqui, ao confronto de produções escritas de falantes de PTL e de aprendentes de PLE. Os resultados evidenciaram tendências similares, mas também uma maior expressão da ausência de concordância nominal plena no grupo dos falantes do PTL. Na sua globalidade, os dados sugerem que, como noutras VNN, a concordância nominal variável poderá vir a constituir-se como uma característica do PTL, que o diferenciará do português europeu (PE).

Referências

Albuquerque, D. B. (2011). O português de Timor-Leste: Contribuições para o estudo de uma variedade emergente. Papia, 21(1), 65-82.

Almeida, L. & Flores, C. (2017). Bilinguismo. In M. J. Freitas & A. L. Santos (Eds.), Aquisição de língua materna e não materna: Questões gerais e dados do português (pp. 275–304). Berlim, Alemanha: Language Science Press.

Aronoff, M. (1994). Morphology by itself. Cambridge, Estados Unidos da América: MIT Press.

Batoréo, H. J. & Casadinho, M. (2012). Perception and evaluation of language identity in East-Timorese speakers of Portuguese: Language and cognition in a multilingual community. In G. Mininni & A. M. Manuti (Eds.), Applied Psycholinguistics (pp. 57-61). Milão, Itália: Franco Angeli.

Baxter, A. (1992). Portuguese as a pluricentric language. In M. Clyne (Ed.), Pluricentric languages: differing norms in different nations (pp. 11-43). Berlim, Alemanha: Mouton de Gruyter. DOI: https://doi.org/10.1515/9783110888140.11

Brandão, S. F. & Vieira, S. R. (2012). Concordância nominal e verbal: contribuições para o debate sobre o estatuto da variação em três variedades urbanas do português. Alfa, 56(3), 1035-1064. DOI: https://doi.org/10.1590/S1981-57942012000300013

Brandão, S. F. (2013). Patterns of plural agreement within the noun phrase. Journal of Portuguese Linguistics, 12(2), 51-100. DOI: https://doi.org/10.5334/jpl.68

Cavele, S. A. (1999). Cancelamento da marca de género feminino no adjetivo do português oral do Maputo (Monografia para obtenção do grau de licenciado, Universidade Eduardo Mondlane).

Chavagne, J. P. (2005). La langue portugaise d’Angola (Tese de doutoramento, Université Lumière Lyon 2).

Corbett, G. (1991). Gender. Cambridge, Inglaterra: Cambridge University Press. DOI: https://doi.org/10.1017/CBO9781139166119

Ferreira, T. (2011). Padrões na aquisição/aprendizagem da marcação do género nominal em português como L2 (Dissertação de mestrado, Universidade de Coimbra).

Figueiredo, C. F. G. (2009). A configuração do SN plural do português reestruturado de Almoxarife – S. Tomé. Revista de Crioulos de Base Lexical Portuguesa e Espanhola, 1(1), 28-55.

Fogaça, J. (2011). Aspetos gramaticais da língua makasae de Timor-Leste: Fonologia, morfologia e sintaxe (Dissertação de mestrado, Universidade de Brasília).

Godinho, A. P. (2010). A aquisição da concordância de número e a sua relação com a aquisição da concordância de género: Um estudo realizado com aprendentes chineses de português L2. In M. J. Marçalo et al. (Eds.), Língua portuguesa: ultrapassar fronteiras, juntar culturas (pp. 28-55). Évora, Portugal: Universidade de Évora.

Gonçalves, P. (1997). Tipologia de "erros" do português oral de Maputo: Um primeiro diagnóstico. In C. Stroud & P. Gonçalves (Eds.), Panorama do Português Oral de Maputo - Vol. II: A construção de um banco de "erros" (pp. 37-70). Maputo, Moçambique: Instituto Nacional do Desenvolvimento da Educação.

Gonçalves, P. (2010a). A génese do Português de Moçambique. Lisboa, Portugal: INCM.

Gonçalves, P. (2010b). Perfil linguístico dos estudantes universitários: áreas críticas e instrumentos de análise. In P. Gonçalves (Ed.), O Português escrito por estudantes universitários: descrição linguística e estratégias didáticas (pp. 15-49). Maputo, Moçambique: Texto Editores.

Gonçalves, P. (2013). O português em África. In E. B. P. Raposo, M. F. B. Nascimento, M. A. C. Mota, L. Segura & A. Mendes (Eds.), Gramática do português, vol. I (pp. 157-178). Lisboa, Portugal: Fundação Calouste Gulbenkian.

Himmelmann, N. (2005). The Austronesian Languages of Asia and Madagascar: Typological Characteristics. In A. Adelaar & N. Himmelmann (Eds.), The Austronesian Languages of Asia and Madagascar (pp. 110-181). Londres, Inglaterra: Routledge.

Hull, G. & Eccles, L. (2005). Gramática da língua tétum. Lisboa, Portugal: Lidel.

Inverno, L. (2009). Contact-induced restructuring of Portuguese morphosyntax in interior Angola. Evidence from Dundo (Lunda Norte) (Tese de doutoramento, Universidade de Coimbra).

Jon-And, A. (2011). Variação, contato e mudança linguística em Moçambique e Cabo Verde: A concordância variável de número em sintagmas nominais do português (Tese de doutoramento, Universidade de Estocolmo).

Kachru, B. B. (1985). Standards, codification and sociolinguistic realism: the English language in the outer circle. In R. Quirk & H. G. Widdowson (Eds.), English in the world: Teaching and learning the language and literatures (pp. 11-30). Cambridge, Inglaterra: Cambridge University Press.

Labov, W. (2003). Some sociolinguistic principles. In C. B. Paulston & G. R. Tucker (Eds.), Sociolinguistics: the essential readings (pp. 234-250). Hoboken, Estados Unidos da América: Blackwell Publishing.

Lacsán, V. (2015). The acquisition of gender agreement in L2 Portuguese by adult Hungarian speakers (Dissertação de mestrado, Universidade de Lisboa).

Leiria, I. (2004). Português língua segunda e língua estrangeira: investigação e ensino. Idiomático, 3. Disponível em: http://cvc.instituto-camoes.pt/idiomatico/03/portuguesLSeLE.pdf. Acedido em: 4 set. 2018.

Leiria, I. (2006). Léxico, aquisição e ensino do Português europeu língua não materna. Lisboa, Portugal: FCG/FCT.

Lucchesi, D. & Baxter, A. (2009). A transmissão linguística irregular. In D. Lucchesi, A. Baxter & I. Ribeiro (Eds.), O português afro-brasileiro (pp. 101-124). Salvador, Brasil: EDUFBA. DOI: https://doi.org/10.7476/9788523208752.0005

Mariotto, E. & Lourenço-Gomes, M. C. (2013). Análise de erros na escrita relacionados à aprendizagem da concordância de gênero por falantes nativos do inglês, aprendentes de português europeu como língua estrangeira. In Anais do IV Simpósio mundial de estudos de língua portuguesa (SIMELP). Língua portuguesa: Ultrapassando fronteiras, unindo culturas (pp. 1278-1285). Goiás, Brasil: UFG.

Mariotto, E. (2014). Processamento da concordância de género por aprendentes de português como língua estrangeira. Evidências de um estudo de leitura automonitorada (Dissertação de mestrado, Universidade de Lisboa).

Martins, C. (2015). Número e género nominais no desenvolvimento das interlínguas de aprendentes do português europeu como língua estrangeira. Revista Científica da Universidade Eduardo Mondlane, Série: Letras e Ciências Sociais, 1(1), 24-49.

Miguel, M. & Mendes, A. (2013). Syntactic and semantic issues in sequences of the type (Adjective)-Noun-(Adjective). Journal of Portuguese Linguistics, 12(2), 151-185. DOI: https://doi.org/10.5334/jpl.71

Nascimento, M. F. B. do., Pereira, L., Estrela, A. & Gonçalves, J. B. (2008). Aspectos de unidade e diversidade do português: as variedades africanas face à variedade europeia. Veredas, 9(1), 35-60.

Peres, J. A. (2013). Semântica do sintagma nominal. In E.B.P, Raposo., M.F.B. Nascimento, M.A.C. Mota, L. Segura & A. Mendes (Eds.). Gramática do Português, vol. I (pp. 71-81). Lisboa, Portugal: FCG.

Pinto, J. (2015). A aquisição do género e da concordância de género em português língua Terceira ou língua adicional. In P. Osório & M. J. Grosso (Eds.), Teorias e usos linguísticos – Aplicações ao português língua não materna (pp. 91-110). Lisboa, Portugal: Lidel.

Selinker, L. (1972). Interlanguage. International Review of Applied Linguistics in Language Teaching, 10(3), 209-231. Disponível em: http://pt.scribd.com/doc/88547455/Selinker-Interlanguage#scribd. Acedido em: 7 set. 2018. DOI: https://doi.org/10.1515/iral.1972.10.1-4.209

Schmitz, J. R. (2014). Looking under Kachru’s (1982, 1985) three circles model of World Englishes: The hidden reality and current challenges. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, 14(2), 373-411. DOI: https://doi.org/10.1590/S1984-63982014005000010

Timor-Leste Population and Housing Census 2015: Population by mother and age, Timor-Leste. Disponível em: http://www.statistics.gov.tl/pt/category/publications/census-publications/. Acedido em: 11 set. 2018.

VanPatten, B. & J. Williams (Eds.) (2008). Theories in Second Language Acquisition: An introduction. Nova Iorque, Estados Unidos da América: Routledge.

Vieira, S. R. & Brandão, S. (2014). Tipologia de regras linguísticas e estatuto das variedades/línguas: a concordância em português. Linguística, 30(2), 81-112.

Villalva, A. (2000). Estruturas morfológicas. Unidades e hierarquias nas palavras do português. Lisboa, Portugal: FCG/FCT.

Villalva, A. (2003). Aspectos morfológicos da gramática do português. In M. H. M. Mateus et al. (Eds.), Gramática da língua portuguesa (pp. 917-983). Lisboa, Portugal: Caminho.

Xie Shanna (2017). O corpus PEAPL2-Timor. Edição e disponibilização de uma infraestrutura de investigação em PLS (Dissertação de mestrado, Universidade de Coimbra).

Downloads

Publicado

03-07-2019

Como Citar

Santos, I. A., Martins, C., & Pereira, I. (2019). Número e género nominais no desenvolvimento do português de Timor-Leste. Diacrítica, 32(2), 239–271. https://doi.org/10.21814/diacritica.439