Língua portuguesa escrita como segunda língua. Uma análise de produções escritas de surdos frequentadores do GEPLIS/UNICAP, Brasil

Autores

  • Izabelly C. dos Santos Brayner Universidade Católica de Pernambuco e Universidade de Pernambuco (Brasil)
  • Antonio H. Coutelo de Moraes Universidade Católica de Pernambuco (Brasil)
  • Wanilda Maria Alves Cavalcanti Universidade Católica de Pernambuco (Brasil)

DOI:

https://doi.org/10.21814/diacritica.440

Palavras-chave:

Português, Segunda língua, Escrita, Surdos

Resumo

A escrita exerce papel fundamental na participação ativa em uma sociedade, uma vez que facilita o acesso ao conhecimento. No caso dos surdos envolvidos nesta pesquisa, essa modalidade do português representando a segunda língua (L2) coloca-os diante da perspectiva bilíngue - abordagem educacional que orienta profissionais na educação dessa minoria linguística. O objetivo desta pesquisa foi analisar produções escritas dos frequentadores do Grupo de Estudos e Práticas de Linguagem para Surdos (GEPLIS) na Universidade Católica de Pernambuco, visando uma melhor compreensão de obstáculos que impedem a efetivação da aprendizagem expressa através da produção textual na L2. Nesse contexto, serão trazidos, na fundamentação teórica, autores como Brochado (2003), Lacerda(1998), Pereira e Karnopp (2012), Quadros (2004), entre outros, que servirão como base para fundamentação teórica do trabalho. A metodologia adotada foi a qualitativa de caráter descritivo. Os dados apontaram que os sujeitos se encontram nos estágios I e II da interlíngua, não sendo identificado nenhum sujeito no estágio III. Concluímos que se fazem necessários investimentos em pesquisas que busquem estratégias para fortalecer a produção textual na L2 por surdos, assim como a aquisição de conhecimentos acessíveis majoritariamente em língua portuguesa escritanos diversos materiais didáticos.

Referências

Bardin, L. (1997). Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70.

Brasil. (2014). O PNE na articulação do Sistema Nacional de Educação. Documento-Referência. Disponível em: http://conae2014.mec.gov.br/images/pdf/doc_referencia_conae2014.pdf. Acedido em: 25 jul. 2018.

Brochado, S. M. D. A. (2003). A apropriação da escrita por crianças surdas usuárias da Língua de Sinais Brasileira. (Tese de Doutorado, Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho).

Fernandes, S. & Moreira, L. C. (2009). Desdobramentos político-pedagógicos do bilinguismo para surdos: reflexões e encaminhamentos. Revista Educação Especial, 22(34), 225-236.

Gil, A. C. (2010). Como Elaborar Projetos de Pesquisa. (5ª ed.) São Paulo, Brasil: Atlas.

Kail, M. (2013). Aquisição da linguagem. (1a ed.) São Paulo, Brasil: Parábola.

Koch, I. (2011). Ler e compreender: os sentidos do texto. (3ª reimpressão) São Paulo, Brasil: Editora Cortez.

Lacerda, C. F. (1998). Um pouco da história das diferentes abordagens na educação dos surdos. Caderno CEDES, 19(46), 68-80. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-32621998000300007

Marcuschi, L. A. (2001). Da fala para a escrita: Atividades de retextualização. São Paulo, Brasil: Cortez.

Moraes, A. H. C. de. (2015). Escrita de seis surdos em língua inglesa: novos olhares sobre o processo de aquisição de uma língua. Lisboa, Portugal: Novas Edições Acadêmicas.

Pereira, M. C. & Karnopp, L. B. (2012). Concepções de leitura e escrita na educação de surdos. In A. Lodi, A. Dorziat & E. Fernandes (Eds.), Letramento, Bilinguismo e Educação de Surdos (pp. 125-133). (1a ed.) Porto Alegre, Brasil: Mediação.

Quadros, R. M. (2004). Língua de sinais brasileira: Estudos linguísticos. Porto Alegre, Brasil: Artmed. DOI: https://doi.org/10.18309/anp.v1i16.560

Silva, A. B. P., Pereira, M. C. C. & Zanolli, M. L. (2007). Mães ouvintes com filhos surdos: concepção de surdez e escolha da modalidade de linguagem. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 23(3), 279-286. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-37722007000300006

Skliar, C. (1997). Uma perspectiva sócio-histórica sobre a psicologia e a educação dos surdos. In C. Skliar (Ed.), Educação e exclusão: abordagens socioantropológicas em educação especial (pp. 105-153). Porto Alegre, Brasil: Mediação.

Slomski, V. G. (2012). Educação bilíngue para surdos: concepções e implicações práticas. Curitiba, Brasil: Juruá.

Souza, R. M. (1998). Que palavra que te falta? linguística, educação e surdez. São Paulo, Brasil: Martins Fontes.

Souza, R. M. (2013). Considerações preliminares sobre os impactos das conquistas do movimento surdo brasileiro nas políticas educativas de formação de professores para a educação básica no Brasil. Políticas Educativas, 6(2), 61-83.

Downloads

Publicado

03-07-2019

Como Citar

Brayner, I. C. dos S., de Moraes, A. H. C., & Cavalcanti, W. M. A. (2019). Língua portuguesa escrita como segunda língua. Uma análise de produções escritas de surdos frequentadores do GEPLIS/UNICAP, Brasil. Diacrítica, 32(2), 273–291. https://doi.org/10.21814/diacritica.440