Aplicativos móveis como recursos pedagógicos: Design e aprendizagem

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21814/h2d.2509

Palavras-chave:

recursos pedagógicos, aplicativos móveis, aprendizagem de línguas, aprendizagem móvel

Resumo

(Re)pensar os recursos pedagógicos é tarefa constante de todo profissional da educação, seja porque muda o aluno, seja porque muda o conteúdo ou o contexto escolar. Sempre que um destes elementos desestabiliza a totalidade do sistema, exige-se um novo equilíbrio, o que impulsiona o professor, agente planejador ou projetista, a buscar soluções que trazem uma nova estabilidade. A escola, por sua representatividade social, reflete naturalmente as mudanças da sociedade, em todos os seus níveis. Neste sentido, as Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação se converteram em um elemento relevante de influência do contexto escolar. Especialmente pela expansão do acesso a diferentes tipos de dispositivos móveis – notebooks, tablets ou smartphones –, estas tecnologias se aproximam de alunos e professores de maneira consistente e concreta, dentro e fora da escola. Assim, neste trabalho, centramos nosso olhar nos aplicativos móveis como recursos pedagógicos para uso em classe, analisando-os como potencial de inovação e motivação para a aprendizagem. Para isso, desenvolvemos uma pesquisa de caráter bibliográfico, apresentando um panorama atual do design de aplicativos educacionais com a intenção de compreender os caminhos e as opções que os professores podem vislumbrar em suas práticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia Autor

Juliana Cristina Faggion Bergmann, Universidade Federal de Santa Catarina

 

 

Referências

Almeida, M. E. B., & Valente, J. A. (2011). Tecnologias e Currículo: trajetórias convergentes ou divergentes? Paulus.

Celaya, J. (2014). Apps Educativas: Nuevas formas de acceder al conocimiento. Dosdoce.

Crescenzi-Lanna, L., & Grané-Oró, M. (2016). Análisis del diseño interactivo de las mejores apps educativas para niños de cero a ocho años. Revista Comunicar, XXIV(46), 77-85. http://dx.doi.org/10.3916/C46-2016-08

Gardner, H., & Davis, K. (2014). La generación APP. Cómo los jóvenes gestionan su identidad, su privacidad y su imaginación en el mundo digital. Paidós.

Grané, M. (2012). El disseny interactiu a la xarxa. Universitat de Barcelona.

McClure, E., Vaala, S., & Spiewak Toub, T. (2017). Discovering kids’ apps: Do family strategies vary by income? The Joan Ganz Cooney Center at Sesame Workshop. http://joanganzcooneycenter.org/wp-content/uploads/2017/06/jgcc_discoveringkidsapps.pdf

Medeiros, G. A.S., Bergmann, J. C. F., Gresse von Wangenheim, C. (2020). Práticas Pedagógicas como Desenvolvimento de Aplicativos para Dispositivos Móveis por Estudantes da Educação Básica. Revista Textura, 22(49), 99-119. https://doi.org/10.17648/textura-2358-0801-22-5052

Nunes, G. M., & Bergmann, J. C. F. (2019). Elaboração de Critérios de Análise para Aplicativos de Línguas Estrangeiras como Recursos Didáticos ao Ensino Formal. Revista Trama, 15(35), 70-78,

Pérez Gómez, Á. I. (2014). Educação na Era Digital: A escola educativa. Penso.

Rogers, Y., Sharp, H., & Preece, J. (2013). Design de Interação:Além da Interação Humano-Computador. Bookman.

Santaella, L. (2013). Comunicação ubíqua: repercussões na cultura e na educação. Paulus.

Sonego, A. H. S., & Behar, P. A. (2015). M-Learning: Reflexões e perspectivas com o uso de aplicativos educacionais. In Sánchez, J. (Ed.), Nuevas Ideas en Informática Educativa. XX Conferência Internacional de sobre Informática na Educação (pp. 521-526). Universidade do Chile. http://www.tise.cl/volumen11/TISE2015/521-526.pdf

West, M., & Vosloo, S. (2013). Policy Guidelines for Mobile Learning. UNESCO. http://unesdoc.unesco.org/images/0021/002196/219641E.pdf

Vázquez-Cano, E., & Sevillano, M. L. (Eds.) (2019). Dispositivos Digitales Móviles en Educación. El aprendizaje ubicuo. Narcea.

Downloads

Publicado

2020-06-30

Como Citar

Bergmann, J. C. F. (2020). Aplicativos móveis como recursos pedagógicos: Design e aprendizagem . H2D|Revista De Humanidades Digitais, 2(1). https://doi.org/10.21814/h2d.2509