Práticas discursivas de docentes no ensino médio na esfera digital: mudanças e experiências durante a pandemia na Venezuela

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21814/h2d.2861

Palavras-chave:

práticas discursivas, gêneros discursivos digitais, discurso pedagógico

Resumo

A situação do mundo mudou devido à experiência de uma pandemia resultante do aparecimento progressivo da doença COVID-19, que foi localizado com a primeira identificação em Wuhan, na província de Hubei (República Popular da China), e se espalhou pelos países europeus até chegar ao continente americano e fortemente a América Latina. A Venezuela é um país que não escapou dessa realidade e foi forçada a ajustar suas diferentes atividades sociais, econômicas, políticas e educacionais. No contexto educacional, foram tomadas medidas que transferiram os professores de um contexto presencial para um contexto educacional virtual, mesmo que muitas escolas possuíssem um número reduzido de artefatos tecnológicos e alguns docentes não se sentissem preparados para atuar em ambientes online e, assim, necessitaram ajustar seu discurso pedagógico a novas realidades. Portanto, houve mudanças nos sujeitos, espaços, tecnologias e práticas que não dependiam das intenções dos próprios professores, mas de uma situação mundial e dirigidas por instruções ministeriais. Este artigo apresenta um constructo teórico sobre mudanças em práticas discursivas sobre o ensino mediado por esferas digitais no contexto da pandemia, tendo como aporte a observação de mudanças realizadas no Ensino Médio venezuelano.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Bakhtin, M. (1999). Estética de la creación verbal (10.ª ed.). Siglo XXI Editores.

Bernstein, B. (1996). A estruturação do discurso pedagógico: classe, códigos e controle (A. D. Paulo, Ed., & T. d. Pereira, Trans.). Editora Vozes.

Certeau, M. (1994). La cultura en plural. Nueva Visión.

Certeau, M. (2000). La invención de lo cotidiano: 1 Artes de hacer (Vol. I). Universidad Iberoamericana.

Certeau, M., Giard, L., & Mayol, P. (1999). La invención de lo cotidiano: 2 habitar, cocinar (1.ª ed.). (A. Pescador, Trans.) Universidad Iberoamericana.

Chartier, R. (1996). Escribir las prácticas. Foucault, De Certeau, Marín. Manantial.

Deleuze, G., & Guattari, F. (1988). Mil Mesetas: Capitalismo y Esquizofrenia. Valencia: Pre-textos.

Foucault, M. (2008). A arqueologia do saber (L. F. Neves, Trans.). Forense Universitária.

Geraldi, J. W. (2010). Sobre a questão do sujeito. In L. de Paula, & G. Stafuzza (Eds.), Círculo de Bakhtin: Teoria inclassificável (pp. 179–292). Mercado de Letras.

Lévy, P. (1999). Cibercultura. Editora 34.

Lévy, P. (2008). As tecnologias da inteligência: O futuro do pensamento na era da informática (C. I. Costa, Trans.). Editorial 34.

Pistori, M. C. (2018). O círculo e os gêneros do discurso. In I. Azevedo (Ed.), Práticas dialógicas de linguagem: Possibilidades para o ensino de língua portuguesa (pp. 17–42). Editus - Editora da UESC.

Swales, J. (1996). Occluded genres in the academy: The case of the submission letter. In E. Ventola, & A. Mauranen (Eds.), Academia writing. Intercultural and textual issues (pp. 45–58). John Benjamins.

van Dijk, T. (2001). El discurso como interacción social. Estudios sobre el discurso. Una introducción multidisciplinaria. Gedisa.

Venezuela (2020). Cada familia una escuela: Plan pedagógico de prevención y protección. Caracas, Distrito Capital, Venezuela: Ministerio del Poder Popular para la Educación. Obtido em 1 de Septiembre de 2020, de http://me.gob.ve/Descargas/PDF/PLANPEDAGOGICOMPPE15MAR.pdf

Downloads

Publicado

2020-12-31

Como Citar

Díaz Loyo, C. E. ., & Anecleto, Úrsula . (2020). Práticas discursivas de docentes no ensino médio na esfera digital: mudanças e experiências durante a pandemia na Venezuela. H2D|Revista De Humanidades Digitais, 2(2). https://doi.org/10.21814/h2d.2861