Oficina de transposição de linguagem em ambiente remoto

Autores

  • Erica Lima Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Luiza Braga Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Barbara Mussili Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Julia Pinheiro Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Raphaele Lyszy Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Sabrina Santos Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.21814/h2d.2913

Palavras-chave:

educação politécnica, trabalho como principio educativo, transposição da linguagem, oficina on-line

Resumo

Este trabalho apresenta um relato de experiência resultante da realização de uma oficina teórico-prática de transposição de linguagem baseada no trabalho como princípio educativo e na formação politécnica dos atores envolvidos nas atividades. A oficina realizada em ambiente remoto foi aplicada em duas ações e a dois grupos distintos ao longo do primeiro semestre de 2020. As atividades da oficina foram centradas na produção de narrativas em formato de storyboards cujo objetivo era o aprendizado de aspectos gramaticais de língua portuguesa por meio da leitura crítica de uma obra literária. A noção de trabalho se refere basicamente ao desenvolvimento de uma produção intelectual que considere questões do universo contemporâneo. Ao buscar uma formação politécnica, em que o princípio educativo reside no trabalho, delineia-se a necessidade de apropriação da fundamentação teórica e dos meios tecnológicos na realização das atividades concernentes à oficina (Saviani, 2003, 2007; Maia, 2020). Assim, a aplicação da oficina proporcionou a formação teórico-prática relativamente aos fundamentos das ferramentas tecnológicas utilizadas para a comunicação remota e aos aspectos linguísticos e literários abordados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Albuquerque, T. C. de. (2108). “E a máquina livro virou na máquina jogo: sistematização de uma experiência pedagógica baseada na obra literária Macunaíma, de Mário de Andrade.” Dissertação (Mestrado profissional em Tecnologia para o Desenvolvimento Social) – Centro de Tecnologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro

Barbaro, U. (1965). Elementos de estética cinematográfica. Trad. Fátima de Souza. Editora Civilização Brasileira.

Dorrico, J. (2017). A oralidade no impresso: o eu-nós lírico-político da literatura indígena contemporânea. Londrina.

Feenberg, A. (2010). A Teoria Crítica de Andrew Feenberg: racionalização democrática, poder e tecnologia. Trad. Ricardo T. Neder. Observatório do Movimento pela Tecnologia Social na América Latina/CDS/UNB.

FORPROEX – Fórum de Pró-Reitores de Extensão das Instituições de Educação Superior Públicas Brasileiras. (2012) 29., Política Nacional de Extensão Universitária, Manaus.

Graúna, G. (1999). Canto Mestizo. Blocos.

Graúna, G. (2013). Contrapontos da literatura indígena contemporânea no Brasil. Mazza Edições.

Krenak, E. A literatura pelos indígenas: Edson Krenak e Julie Dorrico. Youtube, 10 dez 2020. Disponível em <https://www.youtube.com/watch?v=p_FEqakaX1A&t=3577s>. Acesso em: 15 jan 2020.

Machado, A. M. (2015). Exá raú mboguatá guassú mohekauka yvy marãe’y. De sonhos ao Oguatá Guassú em Busca da(s) Terra(s) Isenta(s) de Mal. Tese (Doutorado em Antropologia) – Universidade Federal do Pará. Belém.

Maia, M. A. (2018). Computação Estrutural de Conjunto na Leitura de Períodos: Um Estudo de Rastreamento Ocular. Psicolinguística e Educação. Mercado de Letras.

Maia, P. (2018). Oficina de Leitura e produção de imagem crítica: uma experiência de trabalho como princípio educativo. Tecnologia para o desenvolvimento social: Lutas Anti Capital.

Maia, M.A., Garcia, D.C., & Fernandes, M. (2019). Metacognição e Educação Linguística. Psicolinguística e Metacognição na Escola. Mercado das Letras.

Maia, P. (2020). Travessias: Palavra-Imagem. Terceira Margem. Programa de Pós-Graduação em Ciência da Literatura (UFRJ).

Olivieri-Godet, R. (2018). Graça Graúna: a poesia como estratégia de sobrevivência. Pontos de Interrogação, 8(1), 33-49.

Pilati, E. (2017). Linguística, gramática e aprendizagem ativa. (ed. 2). Pontes Editores.

Rodrigues, J. (2009). Educação politécnica. Dicionário Da Educação Profissional Em Saúde. EPSJV.

Santos, S., Maia, P., Albuquerque, T., Aquino, R. (2019). Educação e Trabalho: a concepção politécnica na formação de leitores. Psicolinguística e metacognição na escola. (1ed.). Mercado das Letras.

Saviani, D. (1989). Sobre a concepção de politecnia. EPSJV/Fiocruz.

Saviani, D. (2003). O choque teórico da politecnia. Trabalho, Educação e Saúde, 1(1), 131–152.

Saviani, D. (2007). Trabalho e Educação: fundamentos ontológicos e históricos. Revista brasileira de educação, 12(34), 152-165.

Sennet, R., (2008). O Artífice. Trad. Clóvis Marques. (ed. 3). Editora Record.

Souza, I. (2003). A Volta da Graúna – Henfil. (ed. 3). Geração Editorial.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Como Citar

Lima, E., Braga, L. ., Mussili , B. ., Pinheiro, J. ., Lyszy, R. ., & Santos, S. (2020). Oficina de transposição de linguagem em ambiente remoto. H2D|Revista De Humanidades Digitais, 2(2). https://doi.org/10.21814/h2d.2913