Ensino de História em tempos de pandemia: produção autoral e co-criação no Curso “Outras Brasílias”, Universidade de Brasília

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21814/h2d.2924

Palavras-chave:

ensino de História, formação continuada de professores, aulas virtuais, história contra-hegemônica, metodologia investigativa

Resumo

A proposta deste relato de experiência é dar visibilidade ao processo de concepção de um projeto de curso de extensão da Universidade de Brasília voltado para a formação continuada de professores da rede pública de ensino do Distrito Federal. Centrado na estratégia de aulas-oficina voltadas para a resolução de problemas, o curso foi interrompido antes dos encontros presenciais em decorrência da pandemia do Covid-19, e da consequente imposição do isolamento social e suspensão das aulas. A demanda pela criação de novas estratégias que envolvessem encontros virtuais, estratégias de apoio mútuo e a pesquisa on-line em acervos documentais, resultou em uma profícua experiência de inclusão de novos temas e sujeitos na história do Distrito Federal, propiciando uma abordagem não hegemônica da história.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Adichie, C. (2019). O perigo de uma história única. Cia. das Letras.

Barca, I. (2004). Aula oficina: do projeto à avaliação. In I. Barca. (Ed.) Para uma educação de qualidade: Atas da Quarta Jornada de Educação Histórica.(pp. 131-144). Centro de Investigação em Educação (CIED)/ Instituto de Educação e Psicologia, Universidade do Minho.

Carvalho, S. M. G. & Pio, P. M. (2017). A categoria da práxis em Pedagogia do Oprimido: sentidos e implicações para a educação libertadora. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos – RBEP, 98(249), 428-445. https://www.scielo.br/pdf/rbeped/v98n249/2176-6681-rbeped-98-249-00428.pdf

Freire, P. (1982). Pedagogia do Oprimido. Paz e Terra.

Gonçalves, N. G. & Quimelli, G. (2016). Princípios da Extensão Universitária: contribuições para uma discussão necessária. CRV.

Hooks, B. (2013). Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. Editora WMF Martins Fontes.

Rocha, H. A. B. (2015). Aula de História: evento, ideia e escrita. Revista História & Ensino, 21(2), 83-103. https://doi.org/10.5433/2238-3018.2015v21n2p83

Tuboiti, N. C. S. (2012). Grupos áulicos: da organização do cotidiano da sala de aula ao direito à aprendizagem. [Tese de Mestrado, Universidade Católica de Brasília]. Repositório SEEDF. http://repositorio.se.df.gov.br/handle/123456789/739

Valente, J. A. (2018). Sala de Aula Invertida In Mill, D. (Ed.) Dicionário Crítico de educação e tecnologias e de educação a distância (pp. 571-574.). Papirus

Downloads

Publicado

2020-12-31

Como Citar

de Assis Portela, C., & Alves Rocha Jr., D. (2020). Ensino de História em tempos de pandemia: produção autoral e co-criação no Curso “Outras Brasílias”, Universidade de Brasília . H2D|Revista De Humanidades Digitais, 2(2). https://doi.org/10.21814/h2d.2924