Formação de professores em tempos de pandemia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21814/h2d.2910

Palavras-chave:

formação de professores, pandemia, ambiente virtual

Resumo

A carga horária de trabalho dos professores no Brasil é muito elevada, e o tempo destinado em Lei para a formação continuada, apesar de existir, na prática não acontece com a qualidade que deveria por conta de inúmeros fatores. Entre esses fatores, está a dificuldade em reunir os professores para realizar a formação em grupo. Entretanto, durante o tempo de pandemia, foi criada a oportunidade de resolver o dilema da falta de tempo, tendo os aplicativos de reuniões remotas como solução para o problema crônico da dificuldade de conciliar os horários de todos. Sendo assim, este relato de experiência apresenta como um grupo de professores de uma instituição de Educação Infantil pública municipal, de uma cidade do Sul do Brasil, aproveitou o tempo de distanciamento social, imposto pela pandemia de COVID19, para começar a solucionar, no ambiente virtual, o problema da formação de professores. As narrativas da equipe, retiradas da plataforma virtual, apontam para a importância de um programa de formação continuada que dê conta das especificidades de cada instituição. Os excelentes resultados da experiência on-line evidenciam para a importância de se repensar espaços e tempos para que, de fato, os processos formativos sejam efetivados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografias Autor

Jaqueline Maria Alexandre Weiler, Secretaria de Educação

 

 

Francieli Carvalho Taborda, Secretaria de Educação

 

 

Referências

Nóvoa, A. (2017). Firmar a profissão como professor, afirmar a profissão docente. Caderno de Pesquisas. v. 47, n. 166. http://dx.doi.org/10.1590/198053144843.

Portaria n. 826, de 7 de julho de 2017. Dispõe sobre o Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa PNAIC, suas ações, diretrizes gerais e a ação de formação no âmbito do Programa Novo Mais Educação PNME. Recuperado de http://pacto.mec.gov.br/images/pdf/legislacao/portaria

Resolução CNE/CEB nº 5, de 17 de dezembro de 2009. Fixa as Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil (2010). Recuperado de http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb005_09.pdf

Resolução CNE/CP nº 2, de 22 de dezembro de 2017. Institui e orienta a implantação da Base Nacional Comum Curricular. Recuperado de http://basenacionalcomum.mec.gov.br/

Resolução nº 2, de 1º de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior e para a formação continuada.

Saviani, D. (2011). Formação de professores no Brasil: dilemas e perspectivas. Poíesis Pedagógica, 9(1), 07-19. https://doi.org/10.5216/rpp.v9i1.15667

Weiler, J. M. A. (2015). Diálogo entre a escola e o saber-fazer de uma comunidade tradicional: possibilidade de transição para um espaço educador sustentável. Dissertação de mestrado, Universidade do Vale do Itajaí, Brasil.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Como Citar

Alexandre Weiler, J. M. ., & Taborda, F. C. . (2020). Formação de professores em tempos de pandemia. H2D|Revista De Humanidades Digitais, 2(2). https://doi.org/10.21814/h2d.2910